Loading...

Pesquisar este blog

quinta-feira, 21 de julho de 2016

Terapia Ocupacional para Adultos

                                   Introdução

 O Terapeuta Ocupacional é um profissional da área da saúde que trabalha com o uso de atividades no tratamento.
           Os serviços  de T.O são indicados para prevenir incapacidades, atraso no desenvolvimento bem como melhorar o desempenho funcional da pessoa. 

As adaptações do espaço físico, utensílios e mobiliários bem como auxiliar o paciente ou seus familiares no treinamento para o uso de órteses são recursos utilizados se necessário for.

A proposta da T.O para as pessoas com sugere várias vertentes e intervenções que variam de acordo com o estágio de desenvolvimento que se encontra a pessoa e o nível de comprometimento e capacidades individuais. Neste sentido o Terapeuta Ocupacional pode aplicar e conduzir seus atendimentos por meios de métodos e técnicas que não incluam o uso permanente de atividades.






Entrevista com a Terapeuta Ocupacional Ana Carolina


               1 -    Quais são as patologias mais atendidas em adultos?
               Acidente Vascular Cerebral (AVC)

2-      Qual é a importância da Terapia Ocupacional na reabilitação de Adultos?
  Fundamental para auto estima e retorno das atividades do dia a dia (AVD = Atividade de vida diária e AVP = Atividade de vida prática).
    3-      Qual a importância da família neste processo?
    Extrema importância, pois a família orientada contribui muito para o treino das atividades e exercícios realizados em terapia (Restrita em 1 dia por semana em alguns casos).
    4-  Há resistência dos pacientes ao tratamento? Como lidar com essa situação?
     Em alguns casos sim, principalmente quando o usuário encontra-se depressivo e desmotivado, não acreditando na própria recuperação. Neste momento é importante contar com a participação da família, na  tentativa de criar situações que lhe traga prazer e bem estar. Como por exemplo: assinar um documento sozinho e não ter que ser visto pela sociedade como ANALFABETO.

      5-   A Colaboração do paciente ajuda no sucesso do tratamento?

     Sem dúvida que com a colaboração do usuário muda e ajuda bastante no processo de reabilitação. Geralmente quando este é participativo e cooperativo, em alguns casos alcançamos alguns objetivos de médio prazo e bom prognóstico em casos de lesões menores e reabilitação precoce.
6- Quais são as grandes satisfações do seu trabalho?

É acompanhar o esforço e o avanço na terapia junto com o usuário e familiares, alcançando os objetivos do tratamento.  É muito compensador vê o usuário participando de atividades de vida diária (AVD) e de atividades de vida prática (AVP), mesmo que em alguns casos necessitam de auxílio.

7- Você acha importante ter lugares destinados para adultos onde possam  fazer o tratamento de Terapia Ocupacional ?

Sim. É fundamental ter um espaço para a Reabilitação de adultos o quanto antes em terapia, mas rápido serão orientados em retornar as atividades de AVD e AVP. Retornar a vida social, em passeios, etc.   

       8- Como trabalhar o usuário que chega desacreditado e fazê-lo perceber que é capaz de executar as tarefas cotidianas ?

É importante fazer com ele tenha vontade de querer "doar-se" e provocar a mudança dentro de sua cabeça. Não podemos perder a fé em dias melhores.

9- Qual foi o caso mais desafiador durante sua carreira de  Terapeuta Ocupacional?

Uma adolescente bastante grave, porém andando com auxílio e o cognitivo muito comprometido. Depois que a responsável foi orientada, a mesma conseguiu realizar o ato motor de segurar o talher e levar a comida a boca.
 
10- Por que o trabalho de T.O para adultos, não teve o merecido destaque?

Depende, cada centro de reabilitação tem uma especialidade; deste modo pode ser de: estimulação precoce, criança, adulto e idoso. Em todas as etapas no processo de reabilitação, sendo este bebê ou adulto, sempre será possível somar e adquirir aprendizado, seja este motor ou cognitivo. E principalmente nas atividades de vida diária, atividades instrumentais, escrita, adaptações e gerir dinheiro ou administrar a própria medicação. Enfim, em algumas das atividades supra citadas haverá a necessidade de um terapeuta para facilitar neste processo.  


11- Como lidar com o usuário que procura o serviço de T.O, em busca de um novo recomeço? Diante desta situação como agir perante as expectativas criadas por este usuário?
    
      Muito tranquilo este processo. O usuário passará por uma avaliação onde será mensurado as dificuldades e algumas atividades que ele tem vontade de fazer no dia a dia. Logo o terapeuta irá iniciar o tratamento com aquelas questões apontadas na avaliação como relevantes e que tem importância para o mesmo. Deste modo o T.O irá elaborar um plano terapêutico que nortearão o processo de reabilitação.


12- Você acha  que o usuário ao deparar com uma terapeuta que acredita na reabilitação, isso estimula uma melhor resposta ao tratamento?

     Sem dúvida. Quando o terapeuta acredita, todo o processo de reabilitação tende a fluir melhor. Principalmente com aqueles que tendenciam ao negativismo ou quadro depressivo. Todos tem um potencial á desenvolver basta acreditar e lapidar mesmo que o caminho seja longo e com obstáculos para serem ultrapassados.
 

                 MINHA EVOLUÇÃO


A GISELE apresentou na avaliação como queixa principal: algo que classificou como fundamental para a vida dela, á "escrita" e treino de AVD. Apesar do comprometimento motor a mesma apresenta muita força de vontade e adora desafios. Então iniciamos o treino de escrita com engrossador e já foi possível perceber uma mudança significativa porém com muito trabalho pela frente .
     Simultaneamente demos inicio ao treino de (AVD) Atividade de vida diária. Onde hoje a mesma consegue realizar o vestir e o  despir dos membros superiores sozinha com muito esforço e gasto energético, porém independente neste treino de vestuário de membros superiores.








Evolução da minha grafia.



Atividades realizadas na T.O.


Um comentário:

  1. Quero toda essa vontade. De passar dos meus limites. E ir além, e ir além...

    ResponderExcluir