Loading...

Pesquisar este blog

Carregando...

domingo, 15 de junho de 2014

Convivendo com os olhares


Os olhares, pois bem, está aí algo que me aterrorizou durante um bom tempo nessa vida sobre rodas, era extremamente irritante ver as pessoas me encarando por onde eu passava, me sentia um próprio extraterrestre, passear em supermercados e centro da cidade era um horror, eu realmente tinha a sensação de querer me esconder, sem contar que eu era muito mais tímida do que hoje.
Atualmente refletindo, vejo que naquela época, o que me incomodava era principalmente o fato de as pessoas se surpreenderem e me olharem de forma diferente, mas o problema  também era eu ter que ser a garota diferente e como consequência disso ter que encarar aqueles olhares. Mas como tudo é questão de tempo, aos poucos fui me libertando daquele paradigma e percebo que essa libertação só foi adquirida quando também aprendi a me adaptar as situações, afinal, claro que o mundo precisa se adaptar com as nossas diferentes condições, porém, também temos que fazer a nossa parte sendo adaptáveis.
Eu acho que pra me curar do "terrível temor dos olhares" eu precisei aceitar antes de tudo a minha condição como cadeirante, tive que buscar a minha vida dentro daquelas condições e testar minhas capacidades e o meu potencial e foi através desses testes dia-a-dia, diante de cada obstáculo, que eu passei a aceitar muito bem o fato de ser diferente, e hoje posso dizer com clareza que não vejo mais isso como algo ruim, pode parecer estranho, mas, acho que eu até peguei gosto por essa coisa de ser diferente e chamar atenção, aliás, isso se tornou mais de uma de minhas ferramentas da vida pra alcançar meus objetivos e levantar bandeiras, o próprio blog é exemplo disso. Como eu sempre costumo dizer a cadeira de rodas foi e tem sido um grande ensinamento pra mim.
E se querem saber, hoje eu até gosto de ser a garota da cadeira motorizada, é interessante ver as pessoas tendo reações quando passo, chego a brincar com meus amigos dizendo que quando isso acontece faço de conta que sou a versão negra da modelo Gisele Bündchen e é por isso que todos estão olhando. Hehe
Impactos são naturais na vida, não é todo mundo que convive com um cadeirante, talvez tenham uma reação diferente ao ver um na balada, por exemplo, naquele momento pode sim ser incomum para aquela pessoa. Preconceito? Não! Apenas uma nova impressão, isso acontece, preconceito é quando as pessoas começam rejeitar essas novas impressões, ou seja, não querer ter contato com o novo.
Achar diferente é uma coisa, não querer conviver com as diferenças é algo bem diferente e que, aliás, tem cura!




sábado, 15 de fevereiro de 2014

A aceitação das diferenças!

A intolerância às diferenças atrasa a sociedade. Para haver evolução é necessário que exista uma harmonia e para que ela se concretize é primordial a aceitação e respeito pelas diferenças.

Portanto, é fundamental que haja na sociedade o respeito e a tolerância diante da diversidade. O progresso da humanidade depende da evolução intelectual de cada indivíduo, que ao aceitar os diferentes modos de ser e de pensar de cada ser humano, proporcionará paz e harmonia em todo grupo social.


 A aceitação das diferenças entre indivíduos de um grupo social é fundamental, visto que disso depende a paz e a harmonia na convivência entre seus membros. A tolerância e o respeito às diferenças evolui cada vez mais o indivíduo, e consequentemente a sociedade.

Cada indivíduo é único em sua maneira de ser e de pensar, o que por muitas vezes leva a conflitos devido à intolerância e ao desrespeito por parte de outros membros do grupo social,

1 Barreiras para a inclusão social

Atualmente a sociedade não está preparada para receber pessoas com dificuldades de locomoção e por isso elas enfrentam barreiras para utilizar os transportes públicos e para ter acesso a prédios públicos, 
inclusive escolas e hospitais.Em um mundo cheio de incertezas, o homem está sempre em busca de sua identidade e almeja se integrar à sociedade na qual está inserido. Há, no entanto, muitas barreiras para aqueles que são portadores de deficiência, em relação a este processo de inclusão. Geralmente, as pessoas com deficiência ficam à margem do convívio com grupos sociais, sendo privados de uma convivência cidadã. No Brasil, a Lei Federal n° 7853, de 24 de outubro de 1989, assegura os direitos básicos dos portadores de deficiência. Em seu 8º artigo constitui como crime punível com reclusão (prisão) de 1 a 4 anos e multa.
1.3 Legislação brasileira

1.Recusar, suspender, cancelar ou fazer cessar, sem justa causa, a inscrição de aluno em estabelecimento de ensino de qualquer curso ou grau, público ou privado, porque é portador de deficiência.
2.Impedir o acesso a qualquer cargo público porque é portador de deficiência.
3.Negar trabalho ou emprego, porque é portador de deficiência.
4.Recusar, retardar ou dificultar a internação hospitalar ou deixar de prestar assistência médico-hospitalar ou ambulatória, quando possível, a pessoa portadora de deficiência
1.4 Direitos de pessoas portadoras de deficiência
“As pessoas com deficiência têm o direito inerente de respeito por sua dignidade humana. As pessoas deficiência, qualquer que seja a origem, natureza e gravidade de suas deficiências, têm os mesmos direitos fundamentais que seus concidadãos da mesma idade, o que implica, antes de tudo, o direito de desfrutar de uma vida decente, tão normal e plena quanto possível.” - (Resolução ONU N° 2.542/1975, item três).

terça-feira, 21 de janeiro de 2014

Como tratar pessoas com deficiência corretamente


Errado: Evitar falar com os deficientes sobre coisas que uma pessoa normal pode fazer e eles não.
Certo: Conversar normalmente com os deficientes, falando sobre todos os assuntos, pois é bom para eles saberem mesmo das coisas que não podem ouvir, ver ou participar por causa da limitação de movimentos.
Errado: Elogiar ou depreciar uma pessoa deficiente, somente por ela ser limitada.
Certo: Tratar o deficiente como alguém com limitações específicas da deficiência, porém com as mesmas qualidades e defeitos de qualquer ser humano
Errado: Superproteger o deficiente, fazendo coisas por ele.
Certo: Permitir que o deficiente desenvolva ao máximo suas potencialidades, ajudando-o apenas quando for realmente necessário.
Errado: Chamar o deficiente pelo apelido relativo à sua deficiência (ex.: surdinho, surdo, mudo, cego, maneta etc.), pois ele pode se ofender
Certo: Chamar a pessoa deficiente pelo nome, como se faz com qualquer outra pessoa.
Errado:Dirigir-se à pessoa cega como se ela fosse surda, fazendo esforço para que ela ouça melhor. O cego não é surdo.
Certo: Conversar com o cego em tom de voz normal.
Errado: Referir-se à deficiência da pessoa como uma desgraça, como algo que mereça piedade e vá ser compensado no céu.
Certo: Falar da deficiência como um problema, entre outros, que apenas limita a vida em certos aspectos específicos.
Errado: Demonstrar pena da pessoa deficiente.
Certo: Tratar pessoa deficiente como alguém capaz de participar da vida em todos os sentidos.
Errado: Usar adjetivos como "maravilhoso", "fantástico" etc., cada vez que se vê uma pessoa deficiente fazendo algo que aparentemente não conseguiria (por exemplo, ver o cego discar o telefone ou ver as horas, ver um surdo falar e/ou compreender o que lhe falam).
Certo: Conscientizar-se de que a pessoa deficiente desenvolve estratégias diárias e superando normalmente os obstáculos, e não mostrar espanto diante de um fato que é comum para o deficiente.
Errado: Referir-se às habilidades de um deficiente como "sexto sentido" (no caso do cego e surdo, por exemplo) ou como uma "compensação da natureza".
Certo: Encarar como decorrência normal da deficiência o desenvolvimento de habilidades que possam parecer extraordinárias para uma pessoa comum.
Errado: Evitar usar as palavras ver, ouvir, andar, etc., diante de pessoas que sejam cegas, surdas ou privadas de movimentos.
Certo: Conversar normalmente com os deficientes, para que eles não se sintam diferenciados por perceptível constrangimento no falar do interlocutor.
Errado: Deixar de oferecer ajuda a uma pessoa deficiente em qualquer situação (por exemplo, cego atravessando a rua, pessoa de muleta subindo no ônibus etc.), mesmo que às vezes o deficiente responda mal, interpretando isto como gesto de piedade. A maioria dos deficientes necessita de ajuda em diversas situações.
Certo: Ajudar o deficiente sempre que for realmente necessário, sem generalizar quaisquer experiências desagradáveis, atribuindo-as somente a pessoas deficientes, pois podem acontecer também com as pessoas normais.
Errado: Supervalorizar o deficiente, achando que ele pode resolver qualquer problema sozinho (por exemplo, o cego alcançar qualquer porta apenas contando os passos, sem que alguém indique a direção).
Certo: Conscientizar-se de que as limitações de um deficiente são reais, e muitas vezes ele precisa de auxílio.
Errado: Recusar a ajuda oferecida por uma pessoa deficiente, em qualquer situação ou tarefa, por acreditar que não seja capaz de realizá-la.
Certo: Confiar na pessoa deficiente, acreditando que ela só lhe oferecerá ajuda se estiver segura de poder fazer aquilo a que se propõe. O deficiente conhece melhor do que ninguém suas limitações e capacidades.
Errado: Ao falar, principalmente com o cego, dirigir-se ao acompanhante do deficiente, e não ao deficiente, como se ele fosse incapaz de pensar, dizer e agir por si.
Certo: Dirigir-se sempre ao próprio deficiente, quando o assunto referir-se a ele, mesmo que esteja acompanhado.
Errado: Agarrar a pessoa cega pelo braço para guiá-la, pois ela perde a orientação.
Certo: Deixar que o cego segure no braço ou apoie a mão no ombro de quem o guia.
Errado: Agarrar pelo braço pessoas com muletas, ou segurar abruptamente uma cadeira de rodas, ao ver o deficiente diante uma possível dificuldade.
Certo: Ao ver o deficiente diante de um possível obstáculo, perguntar se ele precisa de ajuda, e qual a maneira correta de ajudá-lo. Agarrar um aparelho ortopédico ou uma cadeira de rodas, repentinamente, é uma atitude agressiva, como agarrar qualquer parte do corpo de uma pessoa comum sem aviso.
Errado: Segurar o deficiente, na tentativa de ajudá-lo, quando já houver uma pessoa orientando-o, principalmente no caso do cego.
Certo: Quando houver necessidade ajuda ou orientação, apenas uma pessoa deve tocar o deficiente, a não ser em situações muito específicas, que peçam mais ajuda (por exemplo, carregar uma cadeira de rodas para subir uma escada).
Errado: Carregar o deficiente, principalmente o cego, ajudá-lo a atravessar a rua, tomar condução, subir ou descer escadas.
Certo: Auxiliar o deficiente nestas situações apenas até o ponto em que realmente seja necessário, para evitar atrapalhá-lo mais.
Errado: Pegar a pessoa cega pelo braço para colocá-la na posição na posição correta de sentar numa cadeira.
Certo: Colocar a mão do cego sobre o espaldar da cadeira e deixar que ele se sente como achar melhor.
Errado: Guiar a pessoa cega em diagonal quando atravessar a rua.
Certo: Atravessar o cego sempre em linha reta, para que não perca a orientação.
Errado: Tratar o deficiente com constrangimento, evitando falar sobre sua deficiência.
Certo: Conversar naturalmente com o deficiente sobre sua deficiência, evitando porém perguntas em excesso. Na maioria dos casos, ele preferirá falar normalmente sobre aquilo que é apenas parte de sua vida, e não uma coisa anormal ou extraordinária, como possa parecer ao interlocutor.
Errado: Levar o cego a qualquer lugar onde haja mais pessoas e entrar como se ele pudesse ver quem está no recinto.
Certo: Apresentar o cego a todas as pessoas que estejam num local onde ele é levado por outra pessoa vidente.
Errado: Ao receber um cego em sua casa, deixá-lo orientar-se sozinho.
Certo: Ao receber um cego em sua casa, mostre-lhe todas as dependências e os possíveis obstáculos, e deixe que ele se oriente, colocando-se disponível para mostrar-lhe novamente alguma dependência, caso ele ache necessário.
Errado:Constranger-se em avisar o cego de que ele está com alguma coisa errada na sua vestimenta ou aparência física, ou que está fazendo movimentos não usuais, como balançar-se ou manter a cabeça baixa durante uma conversa.
Certo: Conscientizar-se de que o cego, por não enxergar, não segue o padrão de imitação visual, não podendo, portanto, seguir o comportamento aparente das pessoas videntes. Avisar o cego sempre que perceber que ele está com aparência ou comportamento fora do padrão social normal, evitando que ele caia no ridículo.
Errado: Avançar subitamente sobre a pessoa deficiente por achar que ela não vai conseguir realizar uma tarefa (por exemplo, quando o cego está levando o garfo à boca), se o deficiente não solicitar ajuda.
Certo: Permitir que o deficiente realize sozinho suas tarefas, mesmo quando lhe pareça impossível. Só se deve socorrê-lo em caso de perigo.
Errado: Agarrar a pessoa cega com intuito de orientá-la quando ela está caminhando normalmente na rua.
Certo: Deixar que o cego aprenda por si só a transpor os obstáculos da rua, pois ele é capaz de fazê-lo sozinho. Segurar seu braço, exceto no sinal ou diante de algum perigo real, na verdade o desorienta.
Errado: Chamar a atenção para o aparelho de surdez.
Certo: Estimular o uso do aparelho, encarando-o com a mesma naturalidade com que são vistos os óculos.
Errado: Gritar de longe e/ou às costas de uma pessoa surda para chamá-la.
Certo: Para chamar a atenção de uma pessoa surda que esteja de costas, deve-se tocá-la, de leve, no braço, antes de começar a falar com ela.
Errado: Gritar para chamar a atenção de uma pessoa surda que esteja em perigo
Certo: Procurar chegar até ela o mais rapidamente possível, procurando ajudá-la. Lembrar que uma pessoa que atravessa a rua poderá ser surda, podendo, por isso, não ouvir a buzina de seu carro.



Página principal | Mapa do Site | Pesquisa no Site

segunda-feira, 13 de janeiro de 2014

Apaixone-se!





Apaixone-se por alguém que te ame, que te assuma, te compreenda mesmo na loucura. Apaixone-se por alguém que te ajude, que te guie, que seja teu apoio, teu sonho bom.Que diga "EU TE AMO" com atitudes e não com palavras. Apaixone -se por alguém que converse depois de uma briga, reconhecendo o erro e pedindo desculpas com o coração. Apaixone-se por alguém que sinta sua falta e precise de você sorrindo.








sábado, 21 de dezembro de 2013

As coisas que mais irritam pessoas com deficiencia...

  • Detesto e arrepio-me quando dizem "coitada tadinha dela", magoa-me fundo... mas não lhes respondo, pois nem vale a pena, infelizmente ainda existem algumas pessoas ignorantes.

  •   Quem fala comigo bem devagarinho, como se eu fosse incapaz de entender qualquer coisa…
  • Pessoas que insistem em ajudar mesmo depois de eu dizer que não preciso de ajuda. Como se eu tivesse recusado porque sou orgulhosa. Não, é porque não preciso mesmo.
  • Pessoas e principalmente médicos que falam com minha mãe ao invés de falarem diretamente comigo. Afinal, alguém pode me explicar por que isso acontece???
  •  É que há uma boa dose de ignorância e até de estupidez mesmo. Nada que não possa ser consertado. Começa pela linguagem: ninguém é ceguinho, ninguém  é aleijado,  ninguém é retardado, ninguém é manco, ninguém é perneta, ninguém é mongoloide. Tem maneira certa de se referir aos deficientes de toda ordem.   
 
  • Me irrita  não só a falta de acessibilidade em prédios públicos, como acontece atualmente: Pessoas com deficiência sofrem na cidade. Cadeirantes e pessoas com mobilidade reduzida que não conseguem utilizar táxis nem ônibus da cidade, porque os veículos não estão estruturados para recebe-los.
  • Outro problema que me incomoda é o enfrentado no dia a dia pelas pessoas com deficiência física é em relação aos elevadores dos ônibus do transporte público, já que muitos não funcionam. Além de a maioria dos elevadores dos ônibus não funcionar, alguns trocadores não estão preparados para atender a esse tipo de usuário.
    
  • Qualquer carro parado indevidamente na vaga marcada para deficientes já me irrita, mas essa mania agora dos donos de carro grande acharem que aquela vaga foi feita pra eles, me tira muito do sério!
  •    Por fim... fico mais indignada com pessoas que ainda fazem comentários do tipo",qual é o nomezinho dela'' , quando vou ao dentista escuto sempre , ''abre a boquinha para o titio'' na boa gente...isso é absurdo, ridículo risos para essas pessoas que não estão preparadas para nos tratar como cidadãos.

segunda-feira, 11 de novembro de 2013

Mulher cadeirante não quer ser cobiçada, prefere ser desejada;
Mulher cadeirante não faz sexo, ela é mestre em amor;
Mulher cadeirante não fica, ela se envolve;
Mulher cadeirante não é fácil, ela é flexível;
Mulher cadeirante não manda, ela administra;
Mulher cadeirante não pega, ela toca;
Mulher cadeirante não provoca, ela já é provocante;
Mulher cadeirante não é inteligente, ela é sábia;
...
Mulher cadeirante não se precipita, ela espera o momen

to certo;
Mulher cadeirante não vê, ela observa;
Mulher cadeirante não deita, ela adormece;
Mulher cadeirante não se sente velha, ela se considera experiente;
Mulher cadeirante não brilha, ela é iluminada;
Mulher cadeirante não é moderna, ela é elegante;
Enfim, a Mulher cadeirante é um conjunto de todas as belezas possíveis, mulher sensível, mas ao mesmo tempo uma verdadeira guerreira, é forte, mas feminina, porém muitos não possuem sensibilidade para perceber tal beleza, mas aqueles que descobrem...preferem morrer nos braços dessa tal mulher, que não é doce, mas que simplesmente é puro-mel.
A beleza de uma mulher não está nas roupas que ela veste, nem no corpo que ela carrega, ou na forma como penteia o cabelo. A beleza de uma mulher deve ser vista nos seus olhos, porque esta é a porta para seu coração. A verdadeira beleza de uma mulher está refletida em sua alma"...
Sonhos de gisa


Toda mulher tem seu poder de sedução independente se ela estar em uma cadeira de rodas ou andando!!

Basta ela achar quem realmente mereça ver seu lado sedutora!



quarta-feira, 25 de setembro de 2013

Paralisia Cerebral: Mito e Realidade.


Paralisia Cerebral e Deficiência Intelectual.

Existem alguns mitos relacionados às pessoas com deficiência, em geral alimentados pela sociedade em virtude da falta de convivência e familiaridade. Um deles é a associação da paralisia cerebral com deficiência intelectual. Uma até pode estar associada à outra, mas isso não é regra, pois são quadros muito distintos.
Há vários tipos de paralisia cerebral, relacionados com a localização e a extensão da lesão no cérebro, mas a lesão necessariamente não chega a atingir o intelecto.

As Várias Causas da Paralisia Cerebral.

Segundo a Associação de Paralisia Cerebral do Brasil (APCB), a paralisia cerebral se dá pela falta de oxigênio no cérebro durante o nascimento. Algumas doenças ou problemas durante a gestação também podem causar a PC, como, por exemplo, ameaça de aborto, choque direto no abdômen da mãe, incompatibilidade entre o tipo sanguíneo da mãe e do pai, hipertensão arterial durante a gravidez, infecções congênitas como a sífilis, toxoplasmose, herpes, rubéola, consumo de drogas e exposição a radiação ou qualquer outro fator que leve a uma lesão no sistema nervoso central. As causas perinatais estão relacionadas principalmente com complicações durante o parto e a prematuridade.
As principais causas de PC depois do nascimento são febre prolongada e muito alta, desidratação grave, sarampo e traumatismo crânio-encefálico até os três anos de idade, entre outras. Isso se dá pelo fato de até os dois anos de vida o sistema nervoso central não estar totalmente formado. Pode se definir a PC como um distúrbio ou transtorno dos movimentos e da postura, que não regride e não progride, e assim não se caracteriza como doença ou síndrome. Pode trazer dificuldades nos movimentos, na locomoção, audição e visão do bebê. Mas, em 90% dos casos, a inteligência de quem tem PC é preservada.

Diferenças entre Paralisia Cerebral e Deficiência Intelectual.

Segundo o neurologista infantil do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP, Fernando Kok, uma lesão no sistema nervoso central pode afetar a parte motora ou mental da pessoa e quando esta lesão só atinge a parte motora, denomina-se paralisia cerebral. Quando a lesão compromete a parte mental (cognitivo), resulta em deficiência intelectual. De acordo com a Associação Americana de Deficiência Intelectual e Distúrbio do Desenvolvimento, a pessoa com deficiência intelectual apresenta QI menor que 70, o que necessariamente não faz relação com quem tem PC.

Educação e Escola.

Na questão da educação, muitas vezes quem tem PC não é acometido por nenhuma disfunção cognitiva, mas apresenta limitações físicas, como não conseguir ficar muito tempo sentado e não se comunicar ou escrever da forma convencional. Normalmente são utilizadas ajudas técnicas como cadeira e lápis adaptados, podendo estudar em escola regular.

Prevenção e Diagnóstico.

Existem diversos graus de limitações e não é possível reverter um quadro de PC, uma vez que a lesão do cérebro estará sempre lá, porém, é possível preveni-lo, sendo muito importante que as mães façam o pré-natal durante toda a gestação.
O diagnóstico da paralisia cerebral é feito por análises neurológicas e exames por imagem como ressonância magnética, tomografia e ultra-som. No exame clínico é observado se há sinais de reflexos, com o exame do martelinho, se há atraso na evolução da criança, como sentar, manter o corpo mais firme, andar, etc.
"Ao engravidar, a mulher deve procurar alimentar-se bem, evitar o álcool, o fumo e não tomar remédios sem consultar o médico. Vacinar o bebê e evitar qualquer situação de risco são essenciais", destaca a fisioterapeuta e doutora em Ciências pelo Departamento de Neurologia da Faculdade de Medicina da USP, Ana Paula Restiffe.

Sociedade e Pessoas com Paralisia Cerebral.

Por desconhecimento da sociedade em geral, as pessoas que possuem PC têm dificuldades na vida social e profissional. Com relação ao mercado de trabalho, o preconceito em relação ao paralisado cerebral leva ao descrédito sobre suas reais capacidades. No Brasil, onde a crise de emprego atinge parte considerável da população, a paralisia cerebral se apresenta como mais uma barreira para que o individuo consiga uma colocação profissional, e por consequência, aceitação na sociedade.

SAIBA MAIS:
1) A Paralisia Cerebral não e contagiosa.
2) A pessoa portadora de paralisia cerebral tem inteligência normal,
a não ser que a lesão tenha afetado áreas do cérebro responsáveis pelo pensamento e pela memória.
3) Se a pessoa portadora de paralisia cerebral tiver sua visão ou audição prejudicada pela lesão, terá dificuldades para entender as informações como normalmente são transmitidas; se os músculos da fala forem atingidos , terá dificuldade para comunicar seus pensamentos ou necessidades. Quando tais fatos são observados ,a pessoa portadora de paralisia cerebral pode ser erroneamente classificada como deficiente mental ou não inteligente.
4) Homens e mulheres portadores de paralisia cerebral podem Ter filhos como qualquer outra pessoa. As características dos óvulos e dos espermatozoides, bem como a estrutura dos órgãos reprodutores não são afetados pela lesão cerebral.