Loading...

Pesquisar este blog

quinta-feira, 5 de março de 2015

Como lidar com os cadeirantes

Como lidar com cadeirantes
 
Muitas pessoas que não possuem deficiência  ficam confusas quando encontram uma pessoa com deficiência. Isso é natural. Todos nós podemos nos sentir desconfortáveis diante do "diferente".
Esse desconforto diminui e pode até mesmo desaparecer quando existem muitas oportunidades de convivência entre pessoas deficientes e não-deficientes.
Não faça de conta que a deficiência não existe. Se você se relacionar com uma pessoa com deficiência  como se ela não tivesse uma deficiência, você vai estar ignorando uma característica muito importante dela. Dessa forma, você não estará se relacionando com ela, mas com outra pessoa, uma que você inventou, que não é real.
Aceite a deficiência. Ela existe e você precisa levá-la na sua devida consideração. Não subestime as possibilidades, nem superestime as dificuldades e vice-versa.
As pessoas com deficiência têm o direito, podem e querem tomar suas próprias decisões e assumir a responsabilidade por suas escolhas.
Ter uma deficiência não faz com que uma pessoa seja melhor ou pior do que uma pessoa não deficiente. Provavelmente, por causa da deficiência, essa pessoa pode ter dificuldade para realizar algumas atividades e, por outro lado, poderá ter extrema habilidade para fazer outras coisas. Exatamente como todo mundo.
A maioria das pessoas com deficiência não se importa de responder perguntas, principalmente aquelas feitas por crianças, a respeito da sua deficiência e como ela realiza algumas tarefas. Mas, se você não tem muita intimidade com a pessoa, evite fazer muitas perguntas muito íntimas.
Quando quiser alguma informação de uma pessoa deficiente, dirija-se diretamente a ela e não a seus acompanhantes ou intérpretes.
Sempre que quiser ajudar, ofereça ajuda. Sempre espere sua oferta ser aceita, antes de ajudar. Sempre pergunte a forma mais adequada para fazê-lo. Mas não se ofenda se seu oferecimento for recusado. Pois, nem sempre, as pessoas com deficiência precisam de auxílio. Às vezes, uma determinada atividade pode ser mais bem desenvolvida sem assistência.
Se você não se sentir confortável ou seguro para fazer alguma coisa solicitada por uma pessoa deficiente, sinta-se livre para recusar. Neste caso, seria conveniente procurar outra pessoa que possa ajudar.
As pessoas com deficiência são pessoas como você. Têm os mesmos direitos, os mesmos sentimentos, os mesmos receios, os mesmos sonhos.
Você não deve ter receio de fazer ou dizer alguma coisa errada. Aja com naturalidade e tudo vai dar certo. Se ocorrer alguma situação embaraçosa, uma boa dose de delicadeza, sinceridade e bom humor nunca falham.
 

Deficiência não é sinônimo nem de doença, nem de

infelicidade


Uma pessoa em cadeira de rodas não significa que seja

doente, e por isso trate-a normalmente, como alguém


saudável, que pode ser muito feliz.

Claro, se tiver brigado com a namorado ou estiver


gripada ou até mesmo na TPM, dificilmente estará de bom-humor. Mas é

bom deixar claro que é possível ser feliz, mesmo com o
inconveniente de se usar uma cadeira de rodas!


Da mesma forma que os andantes, as pessoas
 
portadoras de deficiências podem se apaixonar, ter

casos, relações, flertes, como qualquer pessoa que tem
 
sentimentos, sonhos e desejos, não só entre si mas com
 
pessoas andantes e vice-versa!
 
E, não custa lembrar, ser
 
cadeirante não significa que os filhos
 terão algum tipo de problema.

 
Não há um estereótipo

para o cadeirante. Quando

se lida com seres humanos,

deve-se estar pronto para

a diversidade. Assim, não

considere iguais todos aqueles

que vivem em uma cadeira de

rodas, pois cada um possui o

seu temperamento.
 
Você pode ter conhecido um cadeirante muito educado
 
e gentil e passar a considerar que todos sejam assim -
 
supor o contrário é bem pior!

Não é uma deficiência que faz alguém ”assim ou

assado”!
 
Alguns cadeirantes podem recusar qualquer tipo de
 
ajuda oferecida, enquanto outros podem ser tímidos para

pedir-lhe algum auxílio, esperando que você adivinhe

suas necessidades.
 

 

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário